top of page

MEDIAÇÃO INTERDISCIPLINAR NO ENSINO TÉCNICO DE QUÍMICA

Fábio Lustosa Souza

ISBN: 978-65-991752-3-7
DOI: 10.46898/rfb.9786599175237

Sinopse

O privilégio e a satisfação de prefaciar este livro “Mediação Interdisciplinar no Ensino Técnico de Química”, de autoria de Fábio Lustosa, levaram-me à agradável e instigante tarefa de mergulhar cuidadosamente no universo dos capítulos que se integram em um diálogo fecundo, resultante de um estudo apurado que foi apresentado como dissertação de mestrado, na Universidade Federal Rural do Rio de janeiro - UFRRJ. Posso dizer que foi um exercício prazeroso de leitura atenta que me permitiu apreender a riqueza e a profundidade contidas neste trabalho, que muito tem a contribuir para o campo da formação e da prática docente, não apenas no âmbito da área científica estudada, mas para além dela.
A interdisciplinaridade é a categoria central que sustenta a elaboração acadêmica que Lustosa disponibiliza nesta publicação. Ao discutir sobre interdisciplinaridade, como perspectiva epistemológica e pedagógica, Ramos (2010) ressalta a necessidade de que os objetos de estudo e de ensino sejam tratados numa dimensão de totalidade, relacionando os conceitos de diversas disciplinas à luz das questões concretas que se pretende compreender e modificar. Sendo assim, deve ser explorada a complexidade do conhecimento científico, abordando-o em suas dimensões sociais, históricas, éticas, entre outras que o constitui, o que inevitavelmente promoverá o diálogo de campos de conhecimentos entre si.
A prática educativa interdisciplinar na área das Ciências da Natureza contrária ao ensino e a aprendizagem de conhecimentos fragmentados, descolados da realidade natural e social, que são repassados/assimilados por meio de ações transmissivas e receptivas, tem se constituído desafio para pesquisadores e docentes de diferentes realidades educacionais. O currículo segmentado e a cultura fragmentadora da transmissão e da memorização, como mostra Paulo Freire, necessitam ser superados para que o ensino de conhecimentos científicos seja reinventado como formas privilegiadas de investigação, experimentação e reflexão sobre o mundo natural na sua relação com o trabalho e com a sociedade.
Este livro de Lustosa testemunha a possibilidade de um efetivo projeto de formação e pratica docente no qual os conhecimentos em conexões, mediados por ações coletivas, alcançam um novo sentido para quem ensina e para quem aprende. É uma obra que sintetiza o esforço acadêmico, teórico e prático, voltado à compreensão da prática interdisciplinar no ensino de Química, no Curso de Técnico Integrado em Agroindústria, na Escola Agrotécnica Federal de Codó-MA, atualmente denominada Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, Campus Codó. Com um percurso científico vigoroso, o entrelaçar de experiências e conhecimentos acumulados pela pessoa e docente de Química constitui o núcleo central das inquietações que Lustosa põe a serviço de explicar e intervir cientificamente na realidade estudada.
Destaco a pertinência da obra, com um objeto bem recortado, que se configura na confluência entre questões que envolvem o ensino da Química na Educação Profissional integrada ao Ensino Médio voltado à formação de jovens trabalhadores. Em um contexto no qual as decisões da atual Reforma do Ensino Médio, aprovada em 2017, negam a possibilidade de difusão de conhecimentos científicos básicos, intensificando a fragmentação da formação humana para a classe trabalhadora, a experiência interdisciplinar, exposta por Lustosa, que integra os conhecimentos químicos, da formação geral, com os saberes da formação profissional, para além da dimensão científica e pedagógica que lhe é intrínseca, revela uma dimensão ética que vale ser considerada. Ressalto, portanto, a relevância acadêmica e política de uma pesquisa comprometida com a produção de conhecimento, voltado para a formação integrada capaz de contribuir para a formação integral de jovens nela envolvida.
Os resultados desta pesquisa trouxeram provocações que propiciaram a organização deste livro. O texto que o compõe se estrutura em três capítulos, além desta introdução e conclusão, que dialogam e se intercomplementam formando o todo que sintetiza o estudo desenvolvido. De início, na Introdução, Lustosa situa a trajetória que lhe move ao encontro com o exercício do pesquisar, que toma forma enveredando para recortes do campo da interdisciplinaridade. Ao narrar o percurso que vai da inquietação com a sua prática docente à angústia de encontros e desencontros na pesquisa, Lustosa dá a conhecer o processo de idas e vindas, de encontros e desencontros, que marcaram sua constituição enquanto docente e pesquisador, que tem o projeto interdisciplinar como foco.
Situa sua inserção na prática docente como graduado em Química, com uma história construída por experiências na rede particular e na rede pública, que inicialmente impregnada por uma concepção tecnicista de ciência, ensino e de aprendizagem ganha saltos qualitativos à medida que vai assumindo novos espaços profissionais. Ressalta seu ingresso na Escola Agrotécnica Federal de Codó/MA que lhe permitiu alcançar outros voos e construir novos caminhos profissionais e acadêmico.
Da docência, passando pela colaboração técnica na Secretaria de Educação Média e Tecnológica (SEMTEC/MEC), à reinserção no quadro docente da Escola Agrotécnica, e ingresso no Curso de Mestrado em Educação Agrícola da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ), foi emergindo e se configurando a metamorfose que resultou no desenvolvimento da pesquisa, que tem como objeto uma proposta metodológica de mediação interdisciplinar, na qual se integram conhecimentos científicos da Química com saberes das disciplinas técnicas do currículo escolar do curso de Agroindústria.
No Capítulo 1 (um), o autor dedica atenção especial à discussão sobre a interdisciplinaridade, explicitando sua gênese, desenvolvimento e implicações na prática educativa. Ao transitar por estudiosos diversos que se debruçam a aprofundar esta temática, Lustosa desvela que não há um entendimento único sobre o que seja interdisciplinaridade, uma vez que são múltiplos os olhares que a explicam, contudo, em geral expressa a preocupação sobre as relações entre os conhecimentos escolares, tendo em vista a compreensão global da realidade e a construção de novos modos de agir sobre ela. Faz uma rica reflexão com apoio, principalmente, nos aportes de Hilton Japiassú e Ivani Fazenda que são expoentes nesse campo epistemológico no Brasil. Com esteio em Japiassu explora os conceitos multidisciplinaridade, intradisciplinaridade, pluridisciplinaridade e transdisciplinaridade em seus significados distintos, apontando a diferenciação que os caracteriza. Aborda, ainda, orientações de natureza interdisciplinar presentes em documentos da legislação educacional brasileira voltados ao Ensino médio e à Educação Profissional e Tecnológica.
No capítulo 2 (dois), O Ensino de Química no Brasil, o autor faz um resgate crítico das concepções que embasam o ensino desse campo de conhecimento nas escolas brasileiras de ensino médio e técnico, evidenciando o contraponto entre a visão conservadora e a sinalização de novas possibilidades que se abrem para um ensino que contribua para a formação de cidadãos capazes de usar os conhecimentos químicos de forma crítica e participativa na sociedade. A religação dos saberes, abordado por Morin e a História das Ciências, defendida por Chassot, são discutidas como novos caminhos para esse campo científico. Com destaque, o Movimento Ciência, Tecnologia e Sociedade (CTS) no Ensino de Química é examinado por Lustosa de forma pertinente, esclarecendo não apenas seus aspectos teóricos, mas mostrando, também, resultados amplos de pesquisas e experiências sintetizadas em obras, além de evidenciar elementos norteadores para a construção de propostas alternativas que, segundo os estudiosos que a defendem, são perspectivas que permitem ao estudante se apropriar dos conhecimentos químicos de forma contextualizada, interligando-os aos artefatos tecnológicos e à realidade social.
No Capítulo 3 (três), A Mediação Interdisciplinar da Química e a Disciplina do Curso Técnico Integrado em Agroindústria da EAF-Codó/MA - o Projeto Integrador, Lustosa discorre o percurso fértil da pesquisa- ação que vai constituindo possibilidades de uma proposta de trabalho, embasado na interdisciplinaridade, na qual docentes das áreas básica e profissional, junto aos alunos, buscam promover a melhoria da qualidade do ensinar e do aprender conhecimentos de Química integrados a conhecimentos técnicos em um Curso Técnico Integrado da área da Agroindústria. Assim, de forma vigorosa o autor apresenta o contexto do desenvolvimento da investigação, os sujeitos, o método de pesquisa empregado e a metodologia envolvida.
Quanto ao contexto em que se desenvolve a pesquisa, o autor expõe a Escola Agrotécnica Federal de Codó-MA, instituição pública federal, que oferta cursos de Educação Profissional e Tecnológica de Nível Técnico, nas áreas de Agropecuária, Agroindústria e Informática, nas modalidades Integrada e PROEJA. Os sujeitos da pesquisa-ação, de natureza qualitativa, foram quinze alunos regularmente matriculados na 2ª série e 3ª série, respectivamente, do curso Técnico de Agroindústria, no ano de 2008. Os professores envolvidos foram os da área básica (Química, Português, Matemática e Geografia) e os da área técnica de Agroindústria (Tecnologia de Leite e Derivados) que ministraram disciplinas para os alunos da 2ª e 3ª séries do ano letivo de 2008.
Lustosa discute o referencial teórico que embasa a pesquisa-ação que, por sua natureza interventiva, desdobrou-se em 5 (cinco) encontros entre professores e alunos, com a intenção de elaborar o projeto de ensino interdisciplinar, cujo processo se dinamizou nos três momentos pedagógicos propostos por Angotti e Delizoicov(1990): Problematização Inicial (PI), Organização do Conhecimento e Aplicação do Conhecimento. O autor descreve a dinâmica de cada momento, situando inicialmente o problema de pesquisa de onde se originou a temática do projeto interdisciplinar a produção do queijo de leite de cabra. No segundo momento, os alunos, com a assistência direta dos professores de Química e Tecnologia de Alimentos, iniciaram as atividades práticas no Laboratório de Tecnologia de Alimentos. A partir dos resultados das análises químicas aconteceu o terceiro momento, no qual se deu a discussão interdisciplinar com a finalidade de detectar a significação da realização desta atividade prática, considerando as teorias que foram trabalhadas pela Química e pela Tecnologia de Alimentos.
Seguindo, Lustosa apresenta a discussão dos resultados que emerge da voz dos professores e alunos, sujeitos da pesquisa, os quais se manifestam sobre o desenvolvimento do projeto em sua lógica interdisciplinar. Ao tempo que revelam a fragmentação presente nas práticas pedagógicas, afirmam a necessidade de relação dialógica no ensino de ciências, em especial da Química, de forma a constituir uma nova práxis pedagógica que privilegie a construção e a reconstrução de saberes integrados à prática social. O autor situa a positividade expressa nos relatos dos sujeitos em razão de terem vivenciado, como protagonistas, a experiência de uma atividade interdisciplinar que, partindo de uma questão problematizadora, instigou e integrou professores e alunos a se debruçarem em um problema socialmente relevante, mesmo que a participação mais efetiva tenha sido apenas do professor de Química e da professora de Agroindústria.
Por fim, Lustosa reafirma a importância e relevância deste projeto de perspectiva interdisciplinar, na medida em que sinaliza possibilidades de mudança paradigmática na práxis pedagógica dos docentes e na aprendizagem dos estudantes, cuja continuidade é imprescindível para que possam dar vida a um ensino de Química que, como disse Freire (1996), ao invés de transferir conhecimentos, crie as possibilidades para a sua produção ou a sua construção, numa direção emancipatória. E ainda baseado neste estudioso, Lustosa nos deixa a fértil lição com esta experiência de pesquisa, de natureza interventiva, exposta neste livro, de que mudar é difícil, mas não impossível.
Por tudo que relatei, reitero a importância da obra em suas dimensões acadêmica e pedagógica, a qual me deixou enriquecida e acrescida com sua leitura. Certamente, outros leitores também se beneficiarão com a fecundidade da experiência de pesquisa e de prática interdisciplinar, que traz o anúncio profícuo de que algo de novo está brotando na nossa visão de mundo, de educação, de conhecimentos de Química e na forma de realizar seu ensino e pesquisar sobre ele.
Finalmente, quero convidar a todos/as a mergulhar em profundidade neste livro, que é um manifesto em defesa da educação e do ensino integrado, que muito contribuirá para avanços não só da área de Química em sua relação com a educação profissional, mas dos diferentes campos de conhecimentos, nos diversos segmentos da educação, com implicações para a formação de docentes que com eles exercerão o ofício do ensinar comprometido com o direito do aprender.

Data de publicação:

18 de janeiro de 2021 20:48:46

Gostou? Comente!
Rated 0 out of 5 stars.
Couldn’t Load Comments
It looks like there was a technical problem. Try reconnecting or refreshing the page.
bottom of page